Edson Milton Ribeiro Paes.
"Eterno Aprendiz"
CapaCapa
TextosTextos
E-booksE-books
FotosFotos
PerfilPerfil
Livros à VendaLivros à Venda
PrêmiosPrêmios
Livro de VisitasLivro de Visitas
LinksLinks
Textos


“O DESPREZADO HOMEM”
 
Quase nunca consegue estar presente...
Pois aos seus tudo precisa prover...
Existe sim aqueles que estão em todos os momentos...
Mas alguém teve que providenciar!!!
 
O homem que é homem...
Aquele que enfrenta todas as adversidades...
Mesmo que precise ficar com fome...
Os seus ele ampara com responsabilidade!!!
 
Tira da sua boca o pão...
Sorri e diz que esta bem alimentado...
Cuida de todos com muito amor...
Mesmo se sentindo desprezado!!!
 
Os filhos crescem...
E suas magoas confessam...
Reclamam de um pai sempre ausente...
Sem saberem o porque não se encontravam!!!
 
Estavam dormindo quando seu pai saia para trabalhar...
E também estavam dormindo quando ele cansado chegava...
Poucos entenderam o que estava a se passar...
A distancia era enquanto seu pai trabalhava!!!
 
Mas hoje ele já velho...
Olha o resultado de sua luta...
Todos saudáveis e felizes a gargalhar...
Enquanto o velho remói suas amarguras!!!
 
Assim é a vida de muitos homens...
Que se dedicaram a sua família...
Muitos na velhice ficam sozinhos...
A culpa é do tempo que trabalhava de noite e de dia!!!
 
Até de trastes são chamados...
Pela distancia que foram obrigados a se manter...
Um olhar triste escapa dos olhos cansados...
Enquanto os seus os condenam sem ao menos lhes entender!!!
 
Mas tudo fica bem quando todos bem estão...
Ao velho só lhe resta escolher um canto para morrer...
O seu trabalho fez com dedicação...
Esse sim, sempre foi o seu maior prazer!!!
 

 
EDSON MILTON RIBEIRO PAES
Enviado por EDSON MILTON RIBEIRO PAES em 07/02/2018

Música: Coro de Boi - Tonico e Tinoco

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (EDSON MILTON RIBEIRO PAES). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários