Edson Milton Ribeiro Paes.
"Eterno Aprendiz"
CapaCapa
TextosTextos
E-booksE-books
FotosFotos
PerfilPerfil
Livros à VendaLivros à Venda
PrêmiosPrêmios
Livro de VisitasLivro de Visitas
LinksLinks
Textos


“A FORÇA DO VERBO”
 
O Poeta chora em versos...
Usa e abusa das palavras...
Confunde e se confunde com os verbos...
Mas diz o que o engasga!!!
 
Fala de tudo a todo momento...
Percebe as emoções instantaneamente...
Fala sobre seus sentimentos...
Escreve compulsivamente!!!
 
Discorre sobre suas emoções sem pudor...
Fala de suas decepções...
Gosta mais de falar de amor...
O amor que embala os corações!!!
 
Mas é sobretudo um observador...
E nem sempre fala de si...
Percebe no semblante daquele que sente dor...
O que foi que lhe feriu!!!
 
Ser Poeta nem sempre é confortável...
Como a um caricaturista você percebe as emoções...
Mesmo disfarçando o indisfarçável...
Você descobre as inquietações!!!
 
O Poeta não conhece a barreira das tristezas...
Nem as fronteiras da logica...
Caminha através dos quintais sem muros da redondeza...
A desfraldar a verdade escondida!!!
 
Não é fácil ser Poeta...
Não porque é difícil escrever...
Ser Poeta é sofrer por uma causa alheia...
É o castigo de a tudo perceber!!!
 
Não se consegue a um Poeta mentir...
A menos que o mesmo permita...
Pois o Poeta nada precisa de você ouvir...
Para entender o que com você se passa!!!
 
Muitos pensam que o Poeta só fala de si mesmo...
Isso é uma grande besteira...
O acervo de um Obreiro das rimas...
É uma salada por demais eclética!!!
 
Mas devo admitir...
Que falo muito da minha pessoa...
Até para o próximo não comprometer...
Eu assumo a maioria das coisas!!!
 
 
EDSON MILTON RIBEIRO PAES
Enviado por EDSON MILTON RIBEIRO PAES em 04/01/2018
Alterado em 04/01/2018

Música: Maluco Beleza - Raul Seixas

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (EDSON MILTON RIBEIRO PAES). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários