Edson Milton Ribeiro Paes.
"Eterno Aprendiz"
CapaCapa
TextosTextos
E-booksE-books
FotosFotos
PerfilPerfil
Livros à VendaLivros à Venda
PrêmiosPrêmios
Livro de VisitasLivro de Visitas
LinksLinks
Textos


“QUANDO O VENTO ENFIM DEIXAR DE SOPRAR”
 
 
Quando o vento enfim deixar de soprar...
Quando as palavras não mais forem possíveis...
Não precisa nem da minha pessoa lembrar...
Todos os lamentos serão dispensáveis!!!
 
Quando o vento enfim deixar de soprar...
Nas ruas e alamedas por onde passava...
Não adianta mais se preocupar...
Deixe as coisas do jeito que estavam!!!
 
Quando o vento enfim deixar de soprar...
Já serei pagina virada...
Não estarei em mais nenhum lugar...
Toda uma vida foi encerrada!!!
 
Quando o vento enfim deixar de soprar...
Será apenas para este que vos escreve...
Que parte sem atrapalhar...
E de cada um de coração se despede!!!
 
Quando o vento enfim deixar de soprar...
Serei um punhado de cinzas nas curvas do horizonte...
Não necessito que pessoas venham da minha pessoa lembrar...
Mesmo que tenham estádo comigo ontem!!!

Quando o vento enfim deixar de soprar...
Todo choro será tardio...
Qualidades e defeitos não mais importaram...
Tudo será um grande vazio!!!

Comentario carinhoso em forma de poesia da Amiga Poetisa

Quando o vento não mais soprar...
Soprarás tu na lembrança dos teus...
Belos momentos vividos...
Quando o vento não mais soprar...
Tenhas certeza poeta "amigo querido"...
Muitos soprarão para onde tu fores;..
A saudade doída de quem partiu deixando um vazio...
Mas podes contar comigo, se eu aqui estiver, soprarei bem forte...
"Até breve poeta amigo querido"
Ana Maria Brasiliense.


 
EDSON MILTON RIBEIRO PAES
Enviado por EDSON MILTON RIBEIRO PAES em 20/09/2017
Alterado em 22/09/2017

Música: 7- funeral de um lavrador - Tania Alves.

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (EDSON MILTON RIBEIRO PAES). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários